Pesquisar neste blog

21 de abril de 2014

Analise poetica - poesia Oswalde de Andrade

Quando os portugueses chegaram ao Brasil
Era dia de chuva
E eles vestiram os índios.
Que pena...
Fosse dia de sol,
Os índios teriam despido os portugueses.

Oswald de Andrade

A ideia expressa pelo poema é clara, a associação do "dia de chuva" com o "vestir o índio" se refere obviamente a imposição da cultura portuguesa, ou melhor dizendo europeia e crista, aos povos indígenas. Oswald de Andrade lamenta não ter sido o contrario, e não ter sido os índios a "despirem" os portugueses fazendo com que eles assimilassem a suas culturas (me refiro no plural, pois ao contrario do que muitos pensam não havia homogeneidade entre os índios, existindo centenas de tribos diferentes e consequentemente centenas de culturas diferentes).

É importante ficar atento na oposição sol/chuva que pode ser entendida como o dia de chuva sendo triste, pois marcou o inicio do fim da cultura indígena, e, a historia teria sido mais feliz se fossem os indígenas, em um dia de sol, que expandissem a sua cultura aos portugueses vestindo-os. O autor do poema valorizava os índios assim como muitos outros escritores e poetas nacionais por este ser o símbolo do verdadeiro herói brasileiro. O guarani e Iracema de José de Alencar retratam bem isso.

Queria propor agora uma nova forma de analisar esse poema "fosse dia de sol, os índios teriam despido os portugueses" creio que não foi a intenção do autor retratar isso, mas, conforme minha analise com esses versos podemos dizer que, se os índios tivessem tido a chance, poderiam ter acabado com a cultura europeia da mesma forma que os europeus fizeram com eles, afinal, não dizem que "A historia é contada pelos vencedores"? Uma questão interessante para se pensar.

Quanto a assimilação de culturas, me felicito e me conformo porque esta não é uma via de mão única. Da mesma forma que os indígenas absorveram muitos elementos da cultura europeia (forçosamente é claro), os europeus, mesmo sem se dar conta disso também absorveram, claro que em menor grau, algo da culturas indígenas.

Se formos para a America do norte durante o processo de colonização, é impossível não nos admirarmos com o caso de Gonzalo Guerrero, um espanhol que junto com seus demais companheiros naufragou em 1511 sendo encontrado por tribos indígenas. Guerrero assimilou a cultura indígena, foi nomeado cacique, se pintou, foi lhe dado uma índia de boa família como esposa a qual teve filhos. Quando teve a oportunidade de
voltar a estar com os espanhóis na ocasião em que foi encontrado pelo estrategista e conquistador Cortez, Guerrero se recua. Assimilara a tal ponto a cultura indígena que não se reconhecia mais como espanhol. Termino essa postagem com a justificativa de Guerrero acerca de sua permanecia com os indígenas. O texto abaixo foi retirado da obra A conquista da América de Tzevtan Todorov:

"Fizeram-me cacique, e ate capitão em tempo de guerra, ora. Tenho o rosto tatuado e as orelhas furadas. Que dirão os espanhóis ao ver-me assim? E depois, vejam meus filinhos, como são bonitos"

2 comentários:

  1. Adorei a análise. Parabéns.
    Caroline Lopes

    ResponderExcluir
  2. Muito bem!
    Pensamento centrado e fluente.
    Thalyta Nayany

    ResponderExcluir

Deixe seu comentário aqui!